VII Dia Mundial dos Pobres e Amizade Social

Neste domingo, dia 19, a Igreja Católica propõe para todas as pessoas de boa vontade a realização do Dia Mundial dos Pobres.

Em nosso calendário há dias dedicados para as mães, os pais, as crianças, a pátria, a cidade, a consciência negra, etc. Inserindo um dia dedicado aos pobres, o Papa Francisco nos exorta a uma conversão social e faz um alerta: “é fácil cair na retórica, quando se fala dos pobres. Tentação insidiosa é também parar nas estatísticas e nos números. Os pobres são pessoas, têm rosto, uma história, coração e alma. São irmãos e irmãs com seu valores e defeitos, como todos, e é importante estabelecer uma relação pessoal com cada um deles”.

O Papa nos convida a um gesto bem concreto: “Como seria significativo se, no Dia dos Pobres, esta preocupação fosse também a nossa! Ou seja, convidar para partilhar o almoço dominical, depois de ter partilhado a Mesa eucarística”.

Mesmo que não tenha feito explicitamente a citação, nós encontramos essa provocação também em Lc 14,12-14. Nela, Jesus nos exorta: “quando ofereceres um almoço ou uma ceia, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos, para que não te convidem por sua vez e isso te sirva de retribuição”.

Os convites mútuos que fazemos são um costume social que ajudam a garantir um círculo de bem-estar material e afetivo. Convido pessoas do meu círculo de amigos e sou também convidado por eles: refeições, viagens, trabalhos, projetos, etc. Isso assegura ao grupo de amigos não só uma agradável convivência, mas também que as atividades feitas em comum se realizem bem. O problema disso tudo é quando desse círculo começam a ser excluídos os outros, de modo especial os pobres e os indesejados.

O amor que Jesus prega e pratica rompe o círculo de amizades exclusivas em favor dos indigentes. O que estava reservado somente para o círculo de amizades, agora se abre para favorecer quem não era convidado.

A vida verdadeira não se funda na lei da retribuição: “Dou-te para que me dês! Convido-te porque espero que me convides. Ajudo-te porque sei que, no futuro, tu viras em meu socorro”. Essa atitude converte a vida neste mundo em negócio e networking. O mundo de Jesus, pelo contrário, não está centrado na barganha, mas no amor que dá gratuitamente.

O convite interesseiro tem seu pagamento limitado a este mundo passageiro. O amor desinteressado e gratuito tem seu pagamento na vida eterna: “Então serás bem-aventurado, pois esses não têm como te retribuir! Receberás a retribuição na ressurreição dos justos” (Lc 14,14).  Ou como diz o ditado: “Quem dá aos pobres, empresta a Deus”. De fato, como Cristo recupera gloriosamente o que perdeu na morte, assim os cristãos recuperam, transfigurado em glória, o que soube dar gratuitamente aos outros.

Tudo isso fazemos porque é assim que Deus age em relação a nós: Ele não ganha nada ao nos amar; não está interessado em algo nosso, mas está interessado unicamente em nós mesmos. Assim o ensinamento de Jesus tem como objetivo que sejamos perfeitos como o Pai Celeste é perfeito no amor.

Neste Dia dos Pobres, perguntemo-nos: tenho pobres como amigos? Ou só procuro fazer amizades que gratificam?

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

Compartilhe: