São Bento, herdeiro da bênção

Nas horas em que nos deparamos com situações que nos afrontam e que nomeamos de “mal”, podemos reagir de duas formas, aumentando a maleficência por meio da ira ou neutralizando-a pela prudência. Ao optarmos pela virtude que nos cobre de razão na procura pelo bem e desprezo pelo mal, aproximamo-nos da graça divina que nos purifica.

É nesse exemplo de uso da sabedoria que eleva o homem ao encontro da graça de Deus que fazemos a Memória de São Bento, abade e pai dos monges, sendo este santo muito influente nos exercícios espirituais de combate às investidas do maligno frente à nossa fragilidade carnal. Soube muito bem o monge Bento se sobressair quando tentaram contra sua vida e contra sua missão.

Celebrar este dia é reconhecer que o nosso auxílio está no Nome do Senhor, que não nos deixa cair como presa nos dentes dos que se insurgem contra nós (Sl 123). Bento sofreu duros ataques, mas sua proximidade com Deus pela oração e pelo serviço fez valer a sua busca pelo bem nas horas difíceis e, estando o Senhor ao seu lado – verdadeiro refúgio e segurança – não foi atingido como queriam seus algozes.

Ao buscar o bem e não se alegrar nem mesmo com o desastre sofrido por quem queria assassiná-lo, Bento vem nos mostrar o seguimento prático daquilo que Cristo nos falou no sermão da montanha nas suas bem-aventuranças (cf. Mt. 5). Bem-aventurado São Bento por ter sido misericordioso, manso, pacífico, sedento e faminto de justiça, por ter chorado e ter buscado a purificação, bem-aventurado ainda por ter sido perseguido por causa de Cristo, pois em seu nome recebeu injúrias dos homens para ganhar a justiça de Deus.

Que o glorioso São Bento, no convívio dos santos, possa alcançar-nos a graça de buscarmos primeiramente o Amor de Deus diante de tudo o que nos é colocado, para que saibamos, sobretudo, experimentar a fonte de graças e afastarmos do mal.

Rogai por nós, bem aventurado São Bento, para que sejamos dignos das promessas de Cristo! Amém.

Cleiton Samuel Fernandes – Seminarista