Conversar Sobre Religião

A Campanha da Fraternidade deste ano propõe que a religião seja tema de nossas conversas! Normalmente, o tema da religião é evitado nas conversas porque acaba na briga, no desentendimento e, às vezes, nas ofensas recíprocas.

Esse tema deve ser evitado? Ou somos nós que devemos aprender a dialogar? Como pessoas de fé diferente podem dialogar de modo positivo e construtivo?

Há algumas exigências psicológicas indispensáveis para quem deseja entrar na prática do diálogo inter-religioso. É preciso um “espírito de simpatia” em relação aos outros e às suas tradições religiosas. Começar acusando o outro de “estar sob o domínio de satanás”, impede na sua origem qualquer possibilidade de diálogo. O esforço sincero de superar os preconceitos, a abertura de espírito que possibilita descobrir a presença do Mistério no outro, a humildade de caminhar junto com o outro em busca da verdade, são algumas disposições psicológicas necessárias para o diálogo.

Além dessas, há outras exigências que fazem parte da própria natureza do diálogo. Cada dialogante deve procurar entrar na experiência religiosa do outro para compreendê-la a partir de dentro. Conhecer a religião do outro é mais do que se informar sobre a sua tradição religiosa; implica em se esforçar para penetrar no sentido que há para o outro, por exemplo, o ser hindu, hebreu, budista, etc.

Isso é apenas um ideal abstrato ou há algum exemplo concreto? Para quem desejar constatar como isso já ocorreu na prática, indico refletir sobre o documento de Abu Dhabi, reproduzido na encíclica Fratelli tutti (n. 285). O documento testemunha uma comunhão profunda, estabelecida a partir da partilha de experiência religiosa entre o Papa Francisco e o Grande Imã Ahmad Al-Tayyeb.

A partir desse exemplo concreto, outras exigências do diálogo podem ser descobertas.

Antes de tudo, não se pode, com o pretexto de honestidade, pôr entre parênteses a própria fé em Cristo, mesmo que provisoriamente. A honestidade do diálogo requer que os dialogantes entrem no diálogo com a integridade da própria fé. Sem essa exigência, o diálogo perde o seu objetivo. A fé religiosa está na base da religião. Ela não é negociável no diálogo, da mesma forma como não o é na vida pessoal. Não é um bem que possa ser barganhado; é um dom de Deus que não pode ser tratado sem reverência. No diálogo inter-religioso, “quanto mais profunda, sólida e rica for a identidade, mais enriquecerá os outros com a sua contribuição específica” (Fratelli tutti, 282)

O diálogo não admite o sincretismo que tenta passar por cima das oposições e contradições entre convicções religiosas diversas. Tampouco tolera o ecletismo que escolhe elementos de religiões diferentes e os combina em um amálgama incoerente. O diálogo tampouco busca o caminho fácil do irenismo que procura dissimular as diferenças entre as religiões.

Exigência do diálogo é que as diferenças e as contradições entre religiões não sejam ignoradas, subestimadas, dissimuladas. Cada um dos dialogantes deve fazer um esforço sincero de manifestar a integridade da própria fé ao outro e, juntos, procurar a verdade. Dissimular as diferenças é o mesmo que trapacear e iludir o outro.

As diferenças não devem desanimar, pois o diálogo é exatamente isso: compreensão na diversidade e no questionamento recíproco.

Ao mesmo tempo que o cristão nunca dissimula a sua fé em Cristo, reconhece que o outro, tem o direito e o dever de exprimir suas convicções pessoais e eventual reivindicação de universalidade de sua crença. Tais convicções não podem ser relativizadas no diálogo.

Se a seriedade do diálogo proíbe a relativização da pretensão de universalismo da própria fé, a sua abertura exige que não seja absolutizado o que é relativo por incompreensão e intransigência. Uma coisa é a consciência do relativo, outra é a relativização do absoluto.

No diálogo inter-religioso, cada um dos dialogantes é desafiado a retornar às fontes da própria religião e a se concentrar no essencial: a adoração a Deus e o amor ao próximo. Assim se evita que as diferenças doutrinais, tiradas de seu contexto, alimentem formas de desprezo, ódio, xenofobia.

Respeitando essas exigências, o diálogo testemunha que entre as religiões é possível um caminho de paz, pois “a violência não encontra fundamento algum nas convicções religiosas fundamentais, mas nas suas deformações” (Fratelli tutti, 282).

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais