Comentário ao Evangelho – Terça-feira 05/07/2022

Terça-feira da 14a Semana TC

Os 8,4-7.11-13

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

Muitos conhecem o provérbio: “quem semeia ventos, colhe tempestades”. O que ele significa?

A leitura de Oséias nos dá, em resumo, o anúncio do castigo inevitável que se abaterá contra Israel. Aponta também quais são as razoes desse castigo, uma vez que Deus não é autoritário, mas justo.

Oséias tinha acusado o povo de ter violado a aliança e de ter rejeitado o bem. O povo contesta o profeta, exigindo-lhe as provas. A leitura de hoje é uma resposta a essa exigência de provas. Não se trata, portanto, de opiniões subjetivas, mas de uma recordação histórica na qual o povo de Israel é condenado.

Desde o princípio o Reino inaugurado por Jeroboão foi uma história ininterrupta de assassínios e de injustiças. Reis deixaram de ser os escolhidos por Deus para se transformar em marionetes de poderes humanos, escolhidos meramente por interesses egoístas. “Eles constituíram reis sem minha vontade; constituíram príncipes sem meu conhecimento”.

Além disso, havia o bezerro de ouro de Samaria, que foi encomendado por Jeroboão e que permanecia como uma manifestação visível não só da idolatria, mas também da malícia interior que tornava impossível a purificação. “Sua prata e seu ouro serviram para fazer ídolos e para sua perdição”.

É nesse sentido que os idólatras semeiam ventos para colher tempestades: semear vento significa depositar a confiança em ídolos que não passam de ventos. Essa confiança nos ídolos inúteis, no entanto, é uma ação que tem graves consequências: as tempestades que arrasam e destroem a vida. O culto aos ídolos é culto ao que é oco, inútil e vazio: é semear vento, mas esse culto só provoca a ruína: as tempestades, as plantas sem espigas, a fome e o saque dos salteadores: “Semeiam ventos, colherão tempestades; se não há espiga, o grão não dará farinha; e mesmo que dê, estranhos a comerão”.

A resposta do povo ao que Oséias profetiza é ainda mais comprometedor: se defende respondendo que multiplicou os altares e os lugares de culto. Mais uma vez a resposta de Oséias é severa: ao multiplicarem os altares, multiplicaram os pecados. E as pessoas sabem o motivo disso: os lugares de culto, na verdade, rendem homenagem a Baal e não ao Deus vivo e verdadeiro: “Efraim ergueu muitos altares em expiação do pecado, mas seus altares resultaram-lhe em pecado”.

Qual é o resultado de tudo isso? É a rejeição: Deus repudia o povo e o considera como estranho, uma vez que antes foi abandonado. É o trágico fim de uma história que começou com o anúncio de Deus esposo que atrai a sua noiva com laços de afeição, mas que acaba na rejeição e no exílio: “o Senhor lembra seus pecados e castiga suas culpas: eles deverão voltar ao Egito”.

Não aconteça o mesmo conosco! Por isso é preciso evitar semear ventos, ou seja, de servir aos ídolos modernos do dinheiro, do poder e do prazer. Eles não nos salvarão! Pelo contrário estão na raiz das injustiças sociais, da violência, da guerra. Não devemos tolerar uma religião feita somente de exterioridade solene. Um culto solene sem conversão do coração ao Deus vivo e verdadeiro não somente nos é inútil quanto muito prejudicial.

Rezemos para que não aconteça de um dia ouvirmos: “não vos conheço, afastai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade”.

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

 

 

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880