Comentário ao Evangelho – Segunda-feira 11/04/2022

Segunda-feira Santa

Is 42,1-7

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

A leitura é o primeiro dos quatro Cânticos do Servo Sofredor do profeta Isaías. Esses quatro Cânticos descrevem a figura misteriosa do Servo escolhido por Deus para implantar a justiça e o direito no mundo. O Servo Sofredor não implantará o direito com as armas e pela força, mas com um novo estilo, jamais utilizado até então: ele fará triunfar a justiça pela mansidão com o fraco e vacilante. Mansidão, porém, não deve ser mal-entendida: ela inclui a firmeza e a tenacidade em resistir à perseguição e a resistência em cumprir a vontade de Deus.

Nesse sentido, não há como não associar a figura do Servo Sofredor com a de Jesus. Jesus é o Servo que Deus sustenta, o eleito que Deus prefere. Ele não grita, não discute nem levanta a voz.

O Servo de Deus é Jesus sobre o qual repousa o Espírito. Sua missão é o de implantar o direito e a justiça nesta terra, tão cheia de sofrimentos e lágrimas. Ele realiza essa tarefa, mas com um estilo novo: não usa a violência das armas e da força. Ele implanta o direito e a justiça com mansidão.

A mansidão do Servo Jesus se torna ainda mais evidente pelo fato de Ele não quebrar o caniço rachado, nem apagar o pavio que ainda fumega até levar o julgamento à vitória.

Jesus alia duas coisas que podem parecer contraditórias: mansidão com o fraco e o vacilante (a cana rachada, mas que ainda não quebrou; o pavio quase apagado, mas que ainda fumega) e a firmeza e tenacidade em cumprir o desígnio de Deus. Jesus é manso e humilde de coração, mas isso não significa que não seja forte para resistir à perseguição e levar a cabo, com coragem admirável, a missão que o Pai lhe confiou.

Muitas vezes a nossa vida de batizados é como uma cana rachada e um pavio que ainda fumega. A cana rachada não tem mais firmeza, ela não se sustenta por si mesma e, por isso, não pode sustentar outros pesos. O pavio que ainda fumega está quase apagado, não serve mais para iluminar, não dá mais calor.

Assim também pode ser a nossa fé e nossa caridade. Estão quase mortas. A nossa fé e a nossa caridade são como a cana rachada quando elas estão vacilando, não servem mais como apoio de nossa vida. Diante das dificuldades da vida, sentimo-nos desamparados e sem forças. Mesmo que estejamos cercados de pessoas que nos apoiam e nos ajudam, experimentamos que dentro de nós as forças se esvaem e morrem. Como a cana rachada, a nossa fé e nossa caridade não servem mais para nos fortalecer e nos sustentar. E porque a nossa fé e nossa caridade não nos sustentam mais, também não somos capazes de sustentar o fraco, não conseguimos consolar os aflitos, nem encorajar os desanimados.

Jesus não quebra a cana rachada, nem apaga o pavio que ainda fumega. Ele não levanta a voz para recriminar nossa fé tíbia e hesitante; Ele não censura a nossa caridade quase extinta e apagada. Pelo contrário, Ele reaviva a nossa fé e reacende a nossa caridade.

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

 

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880