Comentário ao Evangelho – Segunda-Feira 08/06/2020

2ª feira da 10ª. Semana TC

Mt 5, 1-12

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

No sermão da montanha, Jesus nos revela o seu coração. Ele nos ama, deseja a nossa felicidade, nos ensina o caminho para ser feliz e sobretudo partilha conosco a experiência de sua felicidade. As bem-aventuranças não são um conjunto de novos preceitos.

Ao mesmo tempo que partilha conosco o caminha que ele mesmo faz para ser feliz, Jesus é realista: ele nos adverte contra os perigos que nos desviam da verdadeira felicidade: a ilusão das riquezas, a alucinação do poder, a quimera das alegrias fáceis, a prisão de ouro da indiferença, a corrupção da injustiça, a falsidade da bajulação.

As bem-aventuranças consistem no caminho que Jesus mesmo trilhou. É um caminho de felicidade bem diferente daquela que propõe o mundo: felizes os que se enriquecem à desmedida, os que desfrutam da vida sem se importar nem se deter ante o direito dos outros, os que são duros e impõem aos outros os próprios interesses. Estas são as bem-aventuranças do egoísmo.

Como antídoto, Jesus propõe uma outra felicidade com afirmações paradoxais: felizes os pobres, os mansos, os que choram, os famintos… Trata-se de um “tratamento de choque” para nos despertar de nosso delírio, para nos arrancar de nossa escravidão e da nossa cegueira voluntária. Nesse sentido, a última bem-aventurança é a mais paradoxal: “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo mal contra vós por causa de mim”.

Prestemos atenção nas últimas palavras: “por causa de mim”. O “por causa de Jesus” é a chave para entender todas as bem-aventuranças: elas nos unem a Jesus e é essa união a causa de nossa alegria e felicidade.

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais