Comentário ao Evangelho – Sábado da 32ª semana do TC – 18 11 2023

Sábado da 32ª semana do TC

Sab 18,14-16;19,6-9

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

Para entender a leitura que ouvimos é preciso recordar dois episódios do êxodo: a décima praga do Egito e a passagem do Mar Vermelho. Em ambos acontecimentos o extermínio de uns significou a salvação do povo de Deus.

No capítulo 18 temos, portanto, a descrição da noite em que os primogênitos dos egípcios foram mortos pelo anjo exterminador. Naquela fatídica noite, Deus demonstrou o seu poder enviando o anjo exterminador. Da mesma forma a palavra onipotente de Deus é descrita como um guerreiro implacável que irrompe do céu, do trono real, e se faz presente em uma terra condenada ao extermínio. A palavra aparece personificada, como se fosse um executor de ordens fiel que se encontra na presença de Deus pronto para realizar os seus desejos e suas ordens. Foi a palavra que criou os céus e a terra; é a palavra que cura e salva, mas é também a palavra que destrói e extermina.

A tua palavra onipotente, vinda do alto céu, do seu trono real, precipitou-se, como guerreiro impiedoso, no meio de uma terra condenada ao extermínio; como espada afiada, levava teu decreto irrevogável; defendendo-se, encheu todo de morte e, mesmo estando sobre a terra, ela atingia o céu”.

No capítulo 19 temos a passagem do Mar Vermelho que é acompanhado de milagres tão espetaculares que fica a impressão de que as leis da natureza tenham sido suspensas a fim de que os elementos da natureza pudessem estar a serviço de Israel. Do meio do mar a terra seca emergiu para servir de caminho de travessia do povo. O caminho é comparado a uma planície verdejante.

A terra enxuta surgiu onde antes era água: o mar Vermelho tornou-se caminho desimpedido, e as ondas violentas se transformaram em campo verdejante, por onde passaram, como um só povo, os que eram protegidos por tua mão, contemplando coisas assombrosas”.

A alegria do povo pelo socorro divino tanto na passagem do anjo exterminador quanto na do mar Vermelho é descrita com uma imagem: a dos cavalos quando pastam no campo e o saltitar dos cordeiros que brincam quando já estão alimentados.

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

Compartilhe: