Comentário ao Evangelho – Quinta-feira da 32ª semana do TC – 16 11 2023

Quinta-feira da 32ª semana do TC

Sb 7,22-8,1

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

No Antigo Testamento, a Sabedoria conheceu um processo de personificação. Em outras palavras: progressivamente, a sabedoria foi se tornando cada vez menos uma qualidade ou um atributo de Deus (Deus é sábio; ele possui a sabedoria), para ser cada vez mais identificada com o próprio Deus (a sabedoria é Deus) e, no final, com uma Pessoa divina (o Espírito Santo é Sabedoria de Deus).

A leitura de hoje assinala o ponto alto da personificação que a sabedoria atingiu no Antigo Testamento. A leitura tem o seguinte esquema: os atributos da Sabedoria divina (22-24), a sua origem de Deus (27-28) e a sua eficácia (8,1).

Se nós contarmos os atributos da Sabedoria veremos que chegam ao número de 21, ou seja três vezes 7. Esse número foi escolhido intencionalmente, uma vez que 3 e 7, na Bíblia, são números frequentes que implicam a ideia de perfeição. É de se notar mais uma vez que os atributos da Sabedoria não são atributos de uma qualidade ou de uma capacidade de Deus, mas são atributos de uma pessoa, de “Alguém”. O objetivo dessa enumeração de atributos é o de demonstrar a superioridade da sabedoria divina sobre a humana.

Depois de enumerar os 21 atributos da Sabedoria, a leitura chega ao seu ponto alto ao falar das relações da sabedoria com Deus. A sabedoria é “um sopro do poder de Deus”. Essa expressão sublinha que a sabedoria provém de Deus. Assim como o sopro tem origem na respiração humana, a Sabedoria se origina de Deus como seu hálito.

A sabedoria é também “emanação pura da glória do Todo-poderoso”. A emanação nos remete à imagem da fonte da qual emana a água pura. A imagem sugere que assim como não se trata de uma água conservada em cisterna, mas que brota fresca e viva da sua fonte, assim é a sabedoria em relação a Deus.

A Sabedoria é “reflexo da luz eterna”. O reflexo nos liga à imagem do esplendor que o sol emana de si mesmo. As duas imagens da emanação e do resplendor mostram como a Sabedoria está unida a Deus, dele nascendo e procedendo.

A Sabedoria é “espelho sem mancha da atividade de Deus”. Deus não é somente a fonte da sabedoria, mas também a guia e a conduz na sua atividade e nas suas obras.

Por fim, a Sabedoria é “imagem da bondade de Deus”, pois Deus, movido por sua misericórdia, deseja difundir a sua bondade a todos.

Como podemos notar, o modo a Bíblia apresenta a Sabedoria, falando de sua origem e de sua relação com Deus, de sua comunhão e participação no ser mesmo de Deus

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

Compartilhe: