Comentário ao Evangelho – Quinta-feira 05/05/2022

Quinta-feira da Terceira Semana da Páscoa

At 8,26-40

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

A leitura narra o encontro de Felipe com o eunuco. É um encontro cheio de significados.

Pela estrada deserta e pouco frequentada, Filipe vê um viajante. Ele é um eunuco núbio, ministro das finanças da rainha. Filipe logo percebeu que essa pessoa importante voltava de uma peregrinação a Jerusalém e, por isso, devia ser um simpatizante da religião judaica.

Ao se aproximar, essa suspeita deve ter dado lugar à certeza. Ele ouve o eunuco ler o profeta Isaías. Naquela época, a leitura somente era possível em voz alta. A leitura com os olhos foi uma “invenção” bem posterior. Até no século V, a leitura em voz alta era o costume. Por muito tempo, os cristãos conheceram a Escritura mais pelos ouvidos do que pelos olhos.

Esse detalhe parece banal, mas não o é: o cristão (discípulo missionário da Palavra) é ouvinte da Palavra. Para o mundo bíblico, a relação pessoal com Deus, nesta vida, se dá pela escuta da sua Palavra. Somente na Glória, poderemos ver a Deus face a face. Trata-se, de uma concepção bíblica fundamental e quase esquecida em muitas de nossas comunidades: a escuta é a dimensão por excelência da espiritualidade bíblica.

A Palavra de Deus é escutada não somente com os ouvidos, mas sobretudo com os ouvidos do coração (obediência). Na espiritualidade bíblica há uma insistência sobre a escuta (obediência): “Escuta, Israel!” (Dt 6,4). A escuta sobrepõe a receptividade à atividade; a prioridade é da escuta e não da visão. Escuta não no senso meramente sensitivo, mas no senso de abertura do coração. Nesse sentido, é preciso devolver, na liturgia e na espiritualidade, a primazia do ouvir a Palavra. “

O Espírito disse a Filipe: ‘Aproxima-te e junta-te à carruagem’. Correndo, Filipe a alcançou. Ouvindo que lia a profecia de Isaías, lhe perguntou: ‘Entendes o que está lendo?’. Respondeu: “Como vou entender, se ninguém me explica?”

É a segunda vez que o texto menciona que o eunuco “lia” a profecia de Isaías. O eunuco é um homem culto: não somente sabe ler! Lê um rolo de pergaminho com o texto de Isaías adquirido talvez em Jerusalém. Não somente um homem de letras, mas um sincero simpatizante da religião judaica: empreendeu uma longa viagem para peregrinar até o templo de Jerusalém; permaneceu no átrio dos pagãos, comprou um rolo de Isaías, e voltava lendo o pergaminho. As atitudes desse eunuco deixam claro quanto amor ele tem pela fé de Israel, mesmo que não tenha se circuncidado.

Filipe reconhece de ouvido e de memória o texto lido: certamente Filipe o tinha escutado (não lido com os olhos) várias vezes nos ofícios sinagogais de sua terra. A profecia de Isaías tinha penetrado nos seus ouvidos, no seu coração e na sua memória, por isso, de imediato, reconhece o que o Eunuco está lendo. Bastam poucas palavras para reconhecer todo o texto.

Como cordeiro levado ao matadouro, como ovelha muda diante do tosquiador, da mesma forma ele não abriu a boca. Humilharam-no, negando-lhe o direito; quem meditou em seu destino? Pois arrancaram da terra a sua vida (Is 53,7-8; LXX).

O poema do servo paciente descreve, contra a doutrina da retribuição, o sofrimento de um inocente e o escândalo da prosperidade dos pecadores. O sofrimento desfigura o servo e os outros interpretam suas dores como castigo de Deus, por isso se afastam dele com medo de se contagiar. A sua morte sela uma vida de dores e desprezos: ele termina na vala comum dos condenados.

Por outro lado, o poema mostra que a dor do servo demonstra o pecado, não de quem sofre, mas dos que contemplam o sofrimento dele. Sem ser pecador, o servo aceitava a consequência do pecado e, sofrendo em silêncio, abria os olhos dos pecadores. A dor é do servo, mas o pecado é nosso. Declarando a inocência do servo, o julgamento humano é anulado por Deus. Mais ainda. A paixão do servo inocente servirá para levar os demais à justiça. Assim os pecadores são reabilitados, são libertados de uma condenação merecida pelos sofrimentos que recaíram sobre o servo e o esmagaram. Assim a paixão e a morte do servo são uma intercessão aceita e o seu silêncio é ouvido por Deus.

Por si mesmo, quem ouve o poema provoca inevitavelmente a pergunta: quem é esse servo sofredor? Muitos identificavam esse servo com Moisés, Josias, Jeconias ou Jeremias. Mas a identificação permanecia aberta. A pergunta do Eunuco: “de quem fala o profeta? De si ou de outro?” certamente também atormentou Filipe quando ouvia essa profecia antes de seu encontro com Cristo.

Filipe pergunta ao Eunuco: “Entendes?”. “Como vou entender, se ninguém me explica?”. O eunuco compreende o sentido “material” do texto, apresentado como paradoxo inaudito (o inocente que parece ser um castigado por Deus, mas que na realidade expia o pecado dos que o condenam), mas ele não sabe identificar o personagem de quem se fala. Essa é a questão central: conseguir identificar quem é o servo significa compreender o texto. O servo é um personagem tão surpreendente e misterioso que o eunuco não consegue “entender o que lê”.

De fato, o eunuco reconhece que o servo sofredor, assim como é descrito na profecia, supera tanto os personagens já conhecidos que identificá-lo com um deles, em vez de iluminar, empobrece a profecia. O eunuco não consegue entender o que lê porque as interpretações possíveis e que os rabinos tinham apresentado não fazem justiça à figura misteriosa do servo sofredor. Mesmo que sejam personagens eminentes e figuras heroicas, a identificação com eles diminui e reduz o alcance da missão do servo sofredor.

Filipe tomou a palavra e, começando por esse texto, explicou-lhe a boa notícia de Jesus”. “Prosseguindo o caminho, chegaram a um lugar em que havia água, e o eunuco lhe disse: o que impede de me batizar?”. O eunuco não confessa que “lhe ardia o coração”. Mas quando chega a uma fonte de água no caminho, com modéstia, pede o batismo.

Lucas responde dizendo que o ato de Filipe é impulsionado pelo Espírito Santo. “Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe, de modo que o eunuco não o viu mais”.

E continuou sua viagem muito contente. O efeito e o sinal da vida nova dada pelo batismo são a alegria.

Somos como o eunuco: lemos e não compreendemos. Mas devemos perseverar na Escuta. Somos como Filipe: anunciamos a Palavra. Não comunicamos mera doutrina ou código de ética ou ideologia. Comunicamos o próprio Cristo. Partilha do tesouro do nosso encontro com Cristo. Foi o encontro pessoal com ele que nos faz o que somos.

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

 

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880