Comentário ao Evangelho – Quinta-feira 02/04/2020

5ª Semana da Quaresma – ANO A

Jo 8,51-59

 

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

 

Neste tempo da quaresma, nós somos também chamados a ver o dia de Jesus e a nos alegrarmos com isso. O que significa: “Vosso pai, Abraão, exultou, por ver o meu dia; ele o viu, e alegrou-se?”

O dia de Jesus é o dia da ressurreição! Abraão viu esse dia! Como? Ele recebeu esse dom de profecia através de acontecimentos que o fizeram entrever o grande evento da ressurreição. São dois acontecimentos através dos quais Abraão pôde entrever antecipadamente a ressurreição.

O primeiro acontecimento foi o nascimento de Isaac. De fato, o seu nascimento é uma vitória sobre a morte. Abraão acreditou em Deus e por isso de seu corpo, já velho, e de Sara, há muito estéril, nasceu o filho da promessa. O nascimento de Isaac é uma experiência de ressurreição. Por isso ele se alegrou. Por isso, pela sua fé, Abraão participa real e misteriosamente da vitória de Cristo sobre a morte. É isso o que a fé nos dá, participar real e misteriosamente da vitória de Cristo sobre o pecado e a morte.

O segundo acontecimento, através do qual Abraão participou antecipadamente da ressurreição de Jesus, é o sacrifício de Isaac. Também nesse acontecimento, Abraão, pela sua obediência da fé, participa da vitória de Cristo sobre a morte. Conhecemos esse episódio: Deus pede que Abraão sacrifique o seu filho Isaac a quem ele tanto ama. O mesmo Deus que prometera uma descendência numerosa como as estrelas do céu e a areia da praia pede que o sacrifício de Isaac. Abraão sabe melhor do que ninguém que se Isaac fosse morto, a promessa de Deus seria um engano. Deus parece estar se contradizendo e tirando o que Ele deu.

Mas Abraão obedeceu. Ele não chegou a sacrificar o filho, mas no coração já o tinha sacrificado. Abraão não precisou derramar o sangue de Isaac, mas espiritualmente o sacrificou a Deus. Na última hora, Deus impediu o sacrifício cruento de Isaac, e assim Abraão desceu do monte Moriá (Deus providenciará) com Isaac vivo. Nesse sentido, Abraão fez a experiência da ressurreição de Jesus.

Não nos esqueçamos, porém, que a experiência de Abraão consiste numa prefiguração imperfeita. Isaac não ressuscitou depois de morrer, como aconteceu com Jesus. Isso porque Isaac não foi realmente sacrificado, como aconteceu com Jesus. De qualquer forma, Abraão pôde entrever nesses acontecimentos o sacrifício cruento de Jesus e a sua vitória sobre a morte. Por isso, Abraão viu e se alegrou com o dia de Cristo.

Nós também somos chamados a nos alegrar com a ressurreição que é vitória sobre a nossa morte, a morte do pecado. Toda vez que vencemos o pecado em nós, é o próprio Jesus que ressuscita e nos ressuscita com Ele.

Como Abraão devemos ter fé na ressurreição. Em meio às dificuldades e sofrimentos desta vida, em meio aos pecados que cometemos, nunca devemos perder a esperança na vitória de Cristo sobre a morte e o pecado. Seja este tempo de quaresma, um tempo de alegria por ver o dia de Cristo!

Cada criança que nasce é a promessa de uma vida que ainda uma vez se demonstra mais forte do que a morte (Texto-base, CF 2020, 96).

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

 

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880