Comentário ao Evangelho – Quarta-feira 27/07/2022

Quarta-feira da 17a semana TC

Jr 15,10.16-21

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

As palavras de Jeremias são um desabafo duro, cansado e quase blasfemo. É a descrição dramática de uma crise vocacional interior. Jeremias foi fiel à sua vocação de ser profeta. Ele reconhece que nasceu para isso, mas ser profeta só lhe trouxe sofrimento e hostilidade. “Ai de mim, minha mãe, que geraste um homem de controvérsia, um homem em discórdia com toda a gente”. O que Jeremias proclama são oráculos ameaçadores que não trazem consolo algum e só o tornam antipático e odiado pelo povo. Ele se sente fracassado, um homem de discórdia e de controvérsia, uma pedra de tropeço para todos. Por isso ele é odiado por todos.

 Pior ainda. Além de sofrer com a hostilidade do povo, Jeremias se sente cansado de uma luta aparentemente estéril. Toda a sua luta em favor de Deus parece condenada ao fracasso. O povo não se converterá, e o castigo final infelizmente chegará.

O profeta se sente isolado pelas pessoas que deseja ajudar. É repelido do convívio social por que é incômodo.

Jeremias recorda o início de sua vocação com saudades, saudades essas que tornam ainda mais amarga a sua crise profética: “Quanto encontrei tuas palavras, alimentei-me, elas se tornaram para um uma delícia e a alegria do coração, o modo como invocar teu nome sobre mim.

Os sofrimentos do profeta não são somente ocasionais e transitórios. Os desprezos, as calúnias e as incompreensões se tornaram como uma chaga crônica e incurável: “Por que se tornou eterna minha dor? Por que não sara minha chaga maligna?”.

Nessa situação de sofrimento e abandono, o profeta se queixa com Deus. Onde está Deus? Ele chega a acusar Deus de estar distante dele e de ter se tornado uma ilusão: “para mim te tornaste como miragem de um regato, como visão de águas ilusórias”.

Mas Deus não está ausente nem distante, tampouco é uma miragem. Deus está presente para responder ao profeta e para renovar a sua vocação: “isto me diz o Senhor: Se te converteres, converterei teu coração para te sustentares em minha presença”. Deus promete ao profeta a sua presença e a sua proteção. As pessoas continuarão a lutar contra ele, mãos perversas vão persegui-lo, e muitos apontarão o dedo acusador contra ele, mas ele será fortalecido por Deus: “Em favor deste povo, farei de ti uma muralha de bronze fortificada; combaterão contra ti, mas não prevalecerão, porque eu estou contigo para te salvar e te defender”.

O mesmo Jesus pede para nós: “ó Pai, não te peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal”.

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

 

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880