Comentário ao Evangelho – Quarta-feira 02/06/2021

Quarta-feira da 9a semana

Mc 12, 18-27

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

Os saduceus não acreditavam na ressurreição e por isso apresentam para Jesus o caso da mulher que foi casada com 7 irmãos. Esse caso é construído de maneira artificial sobre a base da lei do levirato.

Que lei é essa? Se um homem casado morresse sem deixar filhos, o seu irmão deveria se casar com a viúva para suscitar descendência ao irmão morto e para amparar a viúva. De fato, se não há ressurreição, como pensavam os saduceus, a única maneira de sobreviver à morte era através dos filhos. Morrer sem filhos era uma grande desgraça, era morrer duas vezes. Por isso o irmão deveria se casar com a cunhada viúva: para que o morto não ficasse sem uma descendência que pudesse perpetuar o nome.

Partindo dessa lei do levirato os saduceus constroem uma história que acaba ridicularizando a ressurreição: “na ressurreição, aquela mulher que esteve casada com os sete irmãos, vai estar casada com quem? Com quem ela terá filhos depois de ressuscitar?

Os saduceus, que queriam tornar ridícula a fé na ressurreição, acabam caindo eles próprios no ridículo. Jesus lhes responde: Acaso, vós não estais enganados, por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus? Com efeito, quando os mortos ressuscitarem, os homens e as mulheres não se casarão, pois serão como os anjos do céu.

A ressurreição não é uma continuação desta vida. Não devemos projetar na vida eterna as condições de nossa vida mortal. Se fosse assim, não deveríamos somente nos perguntar sobre de quem a mulher será esposa, mas também se no céu nós receberemos uma casa, quanto iremos pagar de luz, telefone, água; onde encontraremos escolas para os filhos; em que padaria vamos comprar o pão; quanto será o IPTU, e se haverá uma boa previdência social quando ficarmos velhos. É um absurdo pensar que a vida eterna seja um prolongamento ou uma repetição desta vida. Se assim for, vazia é a nossa fé. Se assim for a vida eterna deixará de ser uma benção para se tornar uma maldição. Se a vida eterna for a duração indefinida desta vida terrena, então prefiro não ressuscitar!

Mas a ressurreição se baseia no poder de Deus. Deus tem o poder para criar tudo novo. A vida eterna não é duração indefinida desta vida. Vida eterna é uma forma que nós encontramos para dar nome à vida que Deus vive e quer nos dar: trata-se do instante pleno de sentido e de realização.

 

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

 

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880