Comentário ao Evangelho – Domingo 09/02/2020

5ª Domingo do Tempo Comum – ANO A

Mt 5,13-16

 

Clique para ouvir o Evangelho e seu comentário:

 

Através de três pequenas parábolas, do sal, da lâmpada e da cidade construída sobre um monte, Jesus ensina sobre a missão que os cristãos devem desempenhar.

Os cristãos são sal da terra. O sal tempera, preserva os alimentos e é símbolo da sabedoria. O sal serve para preservar os alimentos da corrupção. Como o sal, os cristãos com sua pregação e seu comportamento anunciam a Boa Nova do evangelho. Eles ensinam uma sabedoria e edificam os homens com seu comportamento. Por meio da pregação do evangelho eles devem fazer com que os homens, distantes de Deus pelo pecado, voltem a sua amizade. Por isso os apóstolos devem transmitir a mensagem de Cristo como ela é, uma boa nova, uma mensagem que se escuta com alegria e com sede.

Por outro lado, para que o Evangelho seja uma boa notícia, é preciso que a pregação seja acompanhada de uma vida santa, marcada pelo exercício das obras de caridade fraterna.

Se o sal se tornar insosso? As coisas melhores quando se degeneram se tornam as piores. As coisas mais úteis, quando perdem sua utilidade, se tornam as mais inúteis. O pregador do evangelho que se desvirtua, que dá escândalo, torna-se um grande obstáculo para a salvação dos outros. Assim como não existe sal para salgar o sal, assim também será muito difícil encontrar um outro apóstolo que devolva e recupere o que o pregador infiel perdeu com seu comportamento escandaloso. Um dos grandes obstáculos para a evangelização é a vida incoerente dos cristãos: pais, padres, religiosos, catequistas, etc. Sobre nós pesa o juízo de Deus: se o sal se tornar insosso, ele não servirá para mais nada, senão para ser jogado fora e ser pisado pelos homens. A parábola coloca os discípulos e as comunidades cristãs sob o juízo. Se a comunidade não desempenhar sua missão, será rejeitada como sal sem sabor.

Não pode ficar escondida uma cidade construída sobre um monte. Muitos poderiam se sentir incomodados com esta situação dos cristãos. Uma situação de evidência. Seria melhor e mais cômodo uma situação de menos evidência. Mas quem se tornou cristão perdeu o direito de viver comodamente. Todos observam se o comportamento do cristão corresponde àquilo que ele prega e ensina.

Assim brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus. Esta afirmação parece contradizer Mt 6,1-4: “Evitai praticar vossas boas obras diante dos homens para serdes notados por eles, porque assim não tereis recompensa da parte de vosso Pai que está nos céus… Quando, portanto, deres esmolas, não faças tocar a trombeta diante de ti, como procedem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, com o fim de serem aplaudidos pelos homens. Eu vos declaro esta verdade: já receberam a sua recompensa. Mas, quando deres esmola, não saiba tua mão esquerda o que faz a direita, para que a tua esmola fique oculta. O Pai, que vê a ação oculta, te recompensará.

A contradição é apenas aparente. O “para que vejam vossas boas obras” não é uma finalidade, mas uma consequência. Devemos fazer as boas obras para que os outros vejam, não para que sejamos louvados, mas para que eles se encontrem com Deus e louvem a Deus. Devemos nos preocupar em ter uma vida de boas obras, coerente com o Evangelho, não por causa de nós mesmos, mas por causa de Deus. Não buscamos a glória para nós mesmos, mas para Deus. Não queremos ser vistos pelos outros, queremos que todos vejam Deus em nossa vida. O cristão se esforçará em ter uma vida santa, não por ostentação ou exibicionismo, mas por saber que sua condição é aquela da cidade construída sobre o monte. Sabe que o lugar de destaque é privilégio e responsabilidade.

Vós sois a luz do mundo. Devemos nos lembrar que Jesus é a luz do mundo e não os cristãos. A luz brilha por si mesma; os discípulos brilham por causa da luz de Cristo. O discípulo é luz somente na medida em que ele luzir a luz que é Cristo. Ele não tem luz própria. Em Jo 1,4.5.9 lemos: “Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz brilha na escuridão e a escuridão não a pôde extinguir … o Verbo era a luz, a verdadeira luz que vindo ao mundo, ilumina todo homem”. O cristão deve fugir da presunção de querer se colocar no lugar de Cristo. Sem Cristo, o cristão é sal insosso, é luz debaixo da vasilha. A verdadeira fecundidade apostólica só é possível na união com Cristo.

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

 

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Palavra do Pastor / Youtube / Redes Sociais

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880