Comentário ao Evangelho do Dia – 22 de novembro

22/11 – Quinta-feira 33ª semana TC

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

Jesus, aclamado por todos, aproxima-se de Jerusalém, enxerga a sua cidade. Conforme Jesus tinha já dito: Ele é maior do que Jonas. Jonas parou diante da cidade de Nínive que se converteu e ficou desgostoso da vida porque desejava a sua destruição. Jesus, ao contrário, não deseja a destruição de Jerusalém. Ele para diante da cidade impenitente e chora porque ela não reconheceu o tempo em que foi visitada. Diferente de Nínive que se converteu, a cidade de Jerusalém não se converteu.

O choro de Jesus é a linguagem da impotência diante da recusa. Por isso as palavras que acompanham o choro não são de ameaça, mas de triste constatação daquilo que o povo escolheu para si mesmo: o cerco, a morte dos seus habitantes, a destruição da cidade.

Chorando por Jerusalém, Jesus nos recorda a bem-aventurança: bem-aventurados os que choram porque serão consolados.

Veja mais em: Biografia / Agenda do Arcebispo / Artigos / Youtube / Redes Sociais