Comentário ao Evangelho do Dia – 16 de setembro

(16 de setembro – 24º Domingo do TC Ano B)

Por Dom Julio Endi Akamine SAC

A confissão de Pedro não deve ser atribuída somente a Simão Pedro. Ele confessa em nome do grupo dos discípulos; ele é o porta voz de todos, exprime o que é a fé de todos. Mesmo que seja uma fé ainda imperfeita, Pedro exprime uma fé genuína em Jesus.

Os discípulos já estão convivendo com Jesus há um bom tempo e, por isso, chegou o momento em que precisam se decidir com clareza e de maneira pessoal. A quem eles estão seguindo? O que é que eles reconhecem em Jesus? O que eles recebem de Jesus?

É muito provável que os discípulos tenham se perguntado sobre a identidade de Jesus desde o início. Eles se surpreendem com a autoridade com que fala, com que cura dos doentes, com que expulsa demônios e perdoa os pecadores. Quem é afinal esse homem?

Entre as pessoas correm diversos boatos sobre Jesus: um dizem que é João Batista, outros que é Elias, outras que é um dos profetas. Mas o que interessa a Jesus é saber o que os discípulos reconhecem em Jesus? “E vós, quem dizeis que eu sou?”

Essa questão é vital para os discípulos. Não é possível continuar seguindo Jesus de maneira inconsciente e superficial. Jesus tem clareza de que o caminho futuro a ser percorrido exigirá dos discípulos uma decisão consciente e responsável.

A resposta de Pedro é ainda limitada. Os discípulos ainda não passaram pela crucifixão e ressurreição. Não podem suspeitar ainda a profundidade do mistério do Messias Jesus. Mas para penetrar fundo no mistério pessoal de Jesus e de sua missão de Messias, os discípulos precisam continuar seguindo Jesus. É somente no seguimento, que eles chegarão à fé plena em Jesus.

Para nós também é vital conhecer quem é Jesus. Mas para conhecê-lo de verdade não bastam títulos e nomes aprendidos teoricamente. É preciso seguir Jesus, dia a dia, até o fim.