Casa de João Paulo I será aberta ao público pela primeira vez

Em Canale D’Agordo, cidade natal do Papa João Paulo I será realizado um dia de homenagens ao querido “Papa Sorriso”. Na ocasião, os participantes poderão visitar pela primeira vez a casa onde morou.

A visita – dia 2 de agosto – será apenas um dos momentos que caracterizam a jornada dedicada a João Paulo I. O cardeal Beniamino Stella, postulador da Causa de Canonização, apresentará um livro com trechos das atas do processo canônico. O texto representa a primeira biografia completa realizada com método histórico e crítico baseado em investigações a partir de fontes de arquivos, uma pesquisa bibliográfica e do testemunho de 188 pessoas, entre as quais o Papa emérito Bento XVI, o médico Renato Buzzonetti que constatou a morte do Papa Luciani e irmã Margherita Marin, religiosa presente no apartamento papal na época.

“Será realizada a visita à casa onde nasceu e viveu o Papa João Paulo I e, na igreja de Canale d’Agordo, uma palestra moderada por Loris Serafini, diretor da Fundação Papa Luciani, por ocasião da publicação do livro de Antonio Preziosi “João Paulo I. Inesquecível”, diz Loris Serafini, diretor do Museu Albino Luciani.

A Casa do Papa João Paulo I (Vatican News)

A casa do Papa Luciani, o “Papa Sorriso”

Na casa de família do Papa Luciani, que faleceu 33 dias depois de ter sido eleito Papa em 1978, “há o quarto no qual ele nasceu e foi batizado – explica ao Vatican News, Loris Serafini, diretor do museu Albino Luciani – a cozinha, o porão, onde seu pai trabalhava no inverno com carpintaria e o antigo curral. Portanto uma família de agricultores, que viveram na simplicidade e na pobreza. A cozinha – prossegue Serafini – recorda o lugar onde ele cresceu e viveu com sua mãe, mas principalmente onde se encontrava com o irmão quando voltava para visitar a família. Veio aqui pouco antes de partir para Roma. Teve sempre uma forte ligação com sua família. Renunciou a parte de sua herança em favor do irmão, para ajudá-lo. Tinha um quartinho todo seu onde podia descansar sempre que quisesse”.

João Paulo I no dia da sua eleição (Vatican News).

Aberta ao público depois de mais de 40 anos

O irmão Eduardo – explica Serafini – morou na casa até o Natal de 2008, ano da sua morte. “Mantendo o tipo de vida da família, viveu sempre com simplicidade. Portanto, a casa não era visitável. Depois disso, os nove sobrinhos decidiram esperar o momento oportuno e mantiveram a casa disponível para que fosse adquirida por uma entidade eclesiástica. A diocese de Vittorio Veneto, graças à ajuda de um benfeitor, comprou a casa. Este fato bloqueou abertura por alguns anos. Hoje tudo mudou e esperamos a sua beatificação, rezando para que seja em breve tempo. Portanto era importante que esta recordação da vida de João Paulo I se tornasse acessível a todos”.

Por: Vatican News.