Bispos que saíram de Sorocaba

Dom José Carlos Castanho de Almeida

Dom José Carlos Castanho de Almeida é natural de Guareí/SP, hoje Diocese de Itapetininga. Nasceu a 14 de junho de 1930 e é sobrinho de monsenhor Luiz Castanho de Almeida, o historiador Aluísio de Almeida. Aluno do Seminário Diocesano Menor “São Carlos Borromeu”, estudou Filosofia no Seminário Central do Ipiranga e na Universidade Mogi das Cruzes e, Teologia na Faculdade Nossa Senhora Assunção, em São Paulo. Depois de anos de sacerdócio formou-se pela Faculdade de Direito de Sorocaba.

Foi ordenado presbítero em 8 de dezembro de 1953, Solenidade da Imaculada Conceição, pelas mãos de Dom José Carlos de Aguirre na Catedral, onde seria pároco entre junho de 1977 e março de 1982, quando foi eleito ao Episcopado por São João Paulo II. Chanceler do Bispado por anos a fio, ao lado de outras funções paroquiais foi também vigário coadjutor em Itapeva, titular da Paróquia de São Carlos Borromeu e professor, além de diretor espiritual, do Seminário “São Carlos Borromeu”. No período em que esteve à frente da Catedral, foi também vigário geral da então Diocese de Sorocaba, além de juiz do Tribunal Eclesiástico de São Paulo.

Foi sagrado bispo em 2 de maio de 1982 em Sorocaba, em cerimônia realizada no Ginásio Municipal de Esportes, pelas mãos do cardeal-arcebispo metropolitano de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns. Como bispo auxiliar de Santos, onde ficou até 9 de setembro de 1987, residindo em Caraguatatuba, como vigário episcopal do Litoral Norte (Caraguatatuba, Ilha Bela, São Sebastião e Ubatuba), preparando o território para a constituição, anos mais tarde, da Diocese de Caraguatatuba. Em 25 de outubro de 1987, tomou posse como bispo da Diocese de Itumbiara, interior de Goiás. Esteve à frente da Diocese de Araçatuba de 1994 a 2003, como seu primeiro bispo.

Dom Antonio Maria Mucciolo 

Natural de Castel San Lorenzo, na Província de Salerno, na Itália, Dom Antônio Maria Mucciolo nasceu a 1º de maio de 1923. Ainda não tinha completado 3 anos de idade quando a família se transferiu para o Brasil, fixando residência inicialmente em São Paulo, depois em Sorocaba. Em 1931 cursava o primário no Grupo Escolar “Visconde de Porto Seguro”.

Foi bispo diocesano de Barretos de 3 de setembro de 1977 a 28 de junho de 1989 e, arcebispo metropolitano de Botucatu a partir de 9 de setembro de 1989 até atingir a idade-limite de 75 anos de idade, ficando no cargo a pedido da Santa Sé até 7 de junho de 2000. Dom Antonio tornou-se conhecido nacionalmente como idealizador e fundador da Rede Vida de Televisão, ao lado do jornalista João Monteiro de Barros Filho.

Descobriu a vocação sacerdotal servindo como ‘coroinha’ de monsenhor Antônio Francisco Cangro, o ‘padre Chiquinho’, e de cônego André Pieroni na Catedral de Sorocaba. Em 1937, foi enviado para Botucatu com outros seminaristas sorocabanos, retornando a Sorocaba em 1940, com a abertura do Seminário Diocesano “São Carlos Borromeu”. Em 1943, vai ao Seminário Central “Imaculada Conceição”, em São Paulo, para cursar Filosofia e Teologia.

Dom Antônio Maria Mucciolo foi o primeiro sacerdote ordenado por Dom José Carlos de Aguirre na hoje Igreja Matriz “São Carlos Borromeu”, a 4 de novembro de 1949. Professor e reitor do Seminário por muitos anos, a 19 de março de 1967 foi designado pároco da Catedral de Nossa Senhora da Ponte. Foi designado bispo diocesano de Barretos pelo Papa Paulo VI em maio de 1977.

Na Catedral de Sorocaba foi sagrado Bispo da Igreja na Festa de Nossa Senhora da Ponte, a 15 de agosto de 1977, sendo sagrante principal o núncio apostólico Dom Cármine Rocco. Arcebispo emérito de Botucatu, dom Antônio Mucciolo faleceu aos 89 anos de idade, no dia 29 de setembro de 2012, sendo sepultado na cripta da Catedral Metropolitana de Sant´Ana (Botucatu).

Dom Paulo Rolim Loureiro 

Filho de Maria Augusta Rolim e Josino Loureiro de Almeida, Dom Paulo Rolim Loureiro nasceu em Sorocaba a 10 de agosto de 1909. Seus primeiros estudos fez no Grupo Escolar “Antônio Padilha”, antes de matricular-se no Seminário Central do Ipiranga em São Paulo. Foi ordenado sacerdote na igreja de Santa Ifigênia, então Catedral provisória de São Paulo, por Dom Duarte Leopoldo e Silva, a 15 de agosto de 1934 e no dia 19 seguinte rezou sua primeira missa na Catedral de Sorocaba. Seu ministério sacerdotal desenvolveu-se inteiramente na Arquidiocese de São Paulo, inclusive presidindo em 1942 a comissão que organizou o IV Congresso Eucarístico Nacional.

Antes de ser eleito bispo, Dom Paulo foi enviado à Europa para estudos junto à Cúria Romana e também de Milão e Lion. Eleito bispo auxiliar de São Paulo pelo papa Pio XII, foi sagrado a 22 de maio de 1948 na Basílica do Carmo, pelo arcebispo Dom Carlos Carmelo de Vasconcellos Mota, sendo um dos consagrantes seu primo e bispo diocesano de Sorocaba, Dom José Carlos de Aguirre.

Depois de quase quinze anos servindo a Arquidiocese paulistana, agora como seu bispo auxiliar, Dom Paulo foi escolhido pelo Papa João XXIII como bispo titular da nova Diocese de Mogi das Cruzes, que estava sendo criada na região da Grande São Paulo e onde tomou posse a 30 de dezembro de 1962. Um acidente automobilístico na tarde de 2 de agosto de 1975, lhe tirou a vida.

Dom Antonio Pedro Misiara 

Em 1976, o papa Paulo VI elegeu um membro do Presbitério da Igreja Particular de Sorocaba, monsenhor Antônio Pedro Misiara, como terceiro bispo diocesano de Bragança Paulista/SP. Sua sagração episcopal ocorreu na Catedral de Nossa Senhora da Ponte, no dia 10 de dezembro do mesmo ano, pelo então Núncio Apostólico no Brasil, Dom Cármine Rocco.

Dom Antônio Pedro Misiara era natural da cidade de Tietê. Nasceu a 1º de dezembro de 1917 e estudou como aluno sorocabano no Seminário Menor de Botucatu de 1931 a 1936. Realizou os cursos de Filosofia, Teologia e Direito Canônico de 1936 a 1945 na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, sendo ordenado sacerdote a 24 de abril de 1943, na Basílica de São João de Latrão. Retornando a Sorocaba, Dom Aguirre o nomeou reitor do Seminário Diocesano “São Carlos Borromeu”.

De 1951 a 1960, foi professor e diretor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, embrião da atual Universidade de Sorocaba (Uniso), e depois teve decisiva participação na criação da Faculdade de Medicina local, ali exercendo posteriormente as funções de diretor espiritual e professor de Ética, até 1973, a convite da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Foi ainda pároco em Votorantim, na Paróquia de São João Batista e da Imaculada Conceição, durante o ano de 1974 e, nos dois anos seguintes, reitor do Seminário Central de São Paulo, no bairro do Ipiranga, quando recebeu sua nomeação como bispo de Bragança Paulista a 1º de novembro de 1976. Exerceu as funções de bispo diocesano por quase 20 anos, renunciando em 1995 por motivo de idade. Faleceu a 17 de maio de 2004.

Com informações de José Benedito de Almeida Gomes/Redação e edição de Juliana Cuani.