A Palavra do Pastor: Deus te abençoe… Me abençoe!

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

É comum que entre os cristãos dizer: “Deus te abençoe”. É normal que as pessoas peçam para os pais, padrinhos e padres: “Me dê a benção! Por favor, me abençoe”!

Qual é o significado disso? Como devemos abençoar? Como devemos receber a bênção?

A bênção é o contrário da maldição. É preciso evitar proferir pragas aos outros. Praga é o pecado de abusar do nome de Deus a fim de exprimir que algo de mau aconteça a alguém. “As pragas (as maldições), que contém o nome de Deus, são uma falta de respeito para com o Senhor” (CatIg 2148).

A primeira coisa que precisamos ter bem claro quando damos ou pedimos a bênção é quanto ao sujeito da bênção. Quem pode abençoar? Somente os pais, os padrinhos, os padres? Ou também os filhos, os afilhados, os fiéis leigos podem abençoar seu pais, padrinhos e padres?

O sujeito de toda a bênção é Deus. “A bênção é o bem que vem de Deus, ela é uma atitude divina que transmite a vida. Deus, que é Pai e Criador de tudo, ao abençoar, diz: ‘É bom que estejas aqui! É bonito que existas’! (YouCat, 104). Esse é o movimento descendente da bênção: Deus abençoa e prodigaliza os seus bens aos homens.

Sujeito da bênção é também a Igreja. Esse é o movimento ascendente da bênção: a Igreja bendiz Deus porque é abençoada por Ele.

A bênção exprime o movimento de fundo da oração; é o encontro de Deus e do homem; nela o dom de Deus e a acolhida do homem se reclamam e se encontram. A oração de bênção é a resposta do homem aos dons de Deus: uma vez que Deus abençoa, o coração do homem pode bendizer aquele que é a fonte de toda a bênção (CIgC 2626).

Duas formas fundamentais exprimem esse movimento da bênção: algumas vezes a bênção sobe, levada no Espírito Santo por Cristo ao Pai (nós o bendizemos por nos ter abençoado); outras vezes a bênção implora a graça do Espírito Santo, que, por Cristo, desce de junto do Pai (CIgC 2627).

Como devemos abençoar?

Como representantes de Deus, os pais, os padrinhos e os padres abençoam. Fazem-no imbuídos da consciência de que Deus é a fonte de todo o bem e com o único desejo de bendizer, louvar e glorificar a Deus. Eles abençoam sem querer usurpar o poder de Deus, sem tentar se apossar indevidamente do primado de Deus em ser fonte de toda bênção.

Como devemos receber a bênção? Os filhos, os afilhados e os fiéis leigos devem receber a bênção em atitude de adoração a Deus, reconhecendo-se criaturas diante do Criador, exaltando assim a grandeza do Criador e a onipotência amorosa do Salvador que nos liberta do mal.

Cheio de humildade e de respeito, tanto quem dá quanto quem recebe a bênção guarda silêncio respeitoso diante de Deus “sempre maior” que é fonte de toda a bênção.

Também os filhos, os afilhados e os fiéis leigos podem abençoar, mesmo que não seja o mais usual. Uma vez que o primado é do movimento descendente, é mais comum que sejam os pais, os padrinhos e os ministros ordenados a darem a bênção. Mas uma vez que o movimento descendente provoca o ascendente, nada impede que os filhos, os afilhados e os fiéis leigos digam: “Deus te abençoe”. Evidentemente as atitudes de adoração, de louvor, de humildade, de santo respeito pelo nome de Deus acompanham a bênção de quem quer que a imponha.

Caro(a) leitor(a), Deus te abençoe!

Por: Dom Julio Endi Akamine, SAC

Veja mais em: Biografia / Agenda do ArcebispoArtigosComentário ao Evangelho do dia / Youtube / Redes Sociais

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Siga nossas Redes Sociais:

CONTATO

Av. Dr. Eugênio Salerno, 100
Vila Santa Terezinha, Sorocaba – SP
CEP: 18035-430
Telefone: (15) 3221-6880